O que é Python? – Parte 1: Introdução

Python

“Python é poderoso… e rápido; joga com os outros; roda por toda parte; é amigável e fácil de aprender; é Aberto”. Essa é a definição do Python no site python.org, mas provavelmente,  você não entendeu nada e isso é aceitável, uma vez que essa frase é apenas para despertar seu interesse… puro marketing.

Alguns livros definem Python como: “uma linguagem de programação de altíssimo nível (em inglês, Very High Level Language) orientada a objeto, de tipagem dinâmica e forte, interpretada e interativa”. Algumas literaturas ainda dizem “…de propósito geral”.

Complicado não?

Então vou tentar simplificar e explicar de forma simples, o que é esse tal de Python.

Python é uma linguagem de programação, assim como existe o Java, C, C++, Visual Basic, Cobol (essa é para os antigos), entre outra lista enorme de linguagens de programação.

Uma linguagem de programação tem por objetivo fazer com que a máquina (o computador) entenda os “comandos” que você quer dar a ela. Como a máquina só sabe processar 0 e 1, precisamos de uma linguagem mais… digamos… humanizada, para que possamos enviar esses comandos e assim, o computador traduzir essa linguagem para os 0 e 1 do computador.

 Existem linguagens de mais baixo nível como Assembly, aonde se usa instruções reais do processador e são um tanto complicadas de usar e linguagens de programação chamadas de alto nível, aonde os comandos se parecem com palavras do nosso vocabulário (ainda que na maioria, na língua inglesa é claro).

O Python se destaca pelo seu alto nível, ou seja, está muito próximo de uma língua humana.

Por exemplo, o browser que você está utilizando para ver essa página, foi criado através de uma linguagem de programação. Uma bastante comum é o C/C++, usado em larga escala no Windows, no OS x, no Linux e muitas aplicações que rodam nessas plataformas.

Espero que você tenha entendido o que é uma linguagem de programação, agora vamos ao que interessa: O Python.

O Python é uma destas linguagem de programação de altíssimo nível, que você poderá utilizar para criar aplicações para computadores e smartphones, páginas web, aplicações web, entre outras diversas aplicações, até aonde sua imaginação chegar.

O Python é uma linguagem orientada a objetos, ou seja, se parece com Java ou C++, porém o mais interessante é que você não precisa criar classes e objetos, para fazer um “script” simples.

O Python é uma linguagem interpretada (dica: pesquise sobre linguagens interpretadas e compiladas no Google) que pode rodar em vários sistemas operacionais como Windows, Linux e OS X, sem a necessidade de reescrever o código. Ou seja, escreva uma vez e rode em qualquer lugar (claro, desde que você respeite algumas regras para isso), desde que exista o “interpretador” para esse sistema operacional (acesse o site oficial do Python e veja as diversas plataformas que ele pode rodar )

O Python é uma linguagem de código aberto, com licença compatível com a GPL – General Public License, porém menos restritiva, podendo ser utilizado em produtos proprietários, ou seja, você além de não pagar nada para usar (a linguagem em si, mas as IDE’s – falaremos mais tarde sobre o que é – podem ser pagas) e ainda pode alterar o código fonte da própria linguagem.

– “Ok, entendi o que é Python, mas o que eu faço com isso?”.

Você pode fazer várias coisas com ele, mas isso é tema para o próximo artigo na próxima semana.

Até breve!